Pernambuco abriu, em pouco mais de um mês, 327 novos leitos de terapia intensiva para tratar os pacientes com o novo coronavírus. Nesta quinta-feira (23), começa a funcionar, de forma ampliada, no Centro de Convenções, em Olinda, a Central de Regulação de Leitos do estado, responsável por direcionar pacientes para vagas. De acordo com o secretário executivo de Regulação em Saúde, Giliate Coelho Neto, ainda assim, o estado está no limite.

“A situação da epidemia é bastante grave. Se a gente não tivesse aberto esses 327 leitos em um mês, a gente com certeza estaria num cenário muito parecido com as piores regiões da Itália hoje, do mundo. Abrimos e, hoje, estamos no limite. A gente ainda tem uma perspectiva de abrir um grande número de leitos, cerca de 400 de UTI, até o final de maio, para tentar conter um pouco a epidemia”, afirmou Giliate.

Segundo o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde de Pernambuco, até a quarta-feira (22), 98% das UTIs dedicadas a pacientes com suspeita e confirmação de Covid-19 estavam ocupadas e 79% dos leitos de enfermaria.

Ainda segundo o secretário, um dos problemas na regulação de leitos é o fato de que o número de pacientes saindo de leitos não é o mesmo dos que entram, diariamente. Na quarta-feira (22), foram registrados 390 novos pacientes com a doença em 24 horas, totalizando 3.298 casos.

“O leito com paciente com Covid-19 está demorando entre 14 e 21 dias para ser desocupado. Tem alguns casos que, inclusive, passam desse período. Esse é um dos grandes problemas do coronavírus, o paciente entra, mas não sai rápido da UTI”, declarou o secretário.