A quarentena tem impactado na rotina de todas as pessoas. O que antes eram simples atividades, hoje exigem dose extra de cuidado. A atenção precisa ser ainda mais redobrada caso a tarefa a cumprir seja fora de casa, como ir à farmácia ou ao supermercado.

Lidar com as condições impostas pelo novo coronavírus não é tarefa fácil, sobretudo quando se está grávida. “Desde sair de casa sem medo nos dias de exames até poder visitar a minha família, que queria acompanhar a minha gestação de perto”, conta Jhennifer Sátiro sobre o que mudou. Ela tem 23 anos e está grávida de seis meses.

Jhennifer, que viveu o início da gestação quando o mundo ainda não enfrentava a pandemia, revela que já pensou até em parar de ir às consultas de pré-natal por medo da doença. “Eu e minha família pensávamos juntos que o ideal seria parar de ir às consultas, por receio de sair mesmo. Mas a enfermeira que me acompanha me instruiu a não parar com as consultas nem com os exames. Afinal, estou gerando uma vida e não posso deixar de saber da evolução dele ou se tem algo de errado. Sigo indo normalmente, mas tomando todos os cuidados necessários”, explica.

De acordo com a obstetra Adriana Maciel, grávidas e puérperas são consideradas grupo de risco para a Covid-19. Isso, no entanto, não pode fazer com que a paciente mude a rotina de consultas de pré-natal e pós-parto, devendo sempre obedecer à orientação médica. “Os cuidados básicos devem ser voltados para manter hábitos saudáveis. Alimentação equilibrada, boa ingestão de líquidos, lavar as mãos com frequência, respeito às horas de sono e sair de casa apenas em casos imprescindíveis. Sempre de máscara!”, enfatiza.

Ainda segundo Adriana, ainda não há comprovação de transmissão vertical da doença, isto é, dentro do útero. “Após o nascimento, a puérpera pode amamentar normalmente desde que tomando cuidados em usar máscaras e lavar sempre as mãos com água e sabão antes de tocar no bebê. Na impossibilidade de lavar as mãos, usar o álcool para fazer a higienização”, lembra.