O Comitê Científico do Consórcio Nordeste anunciou, nesta quinta-feira (2), as primeiras recomendações com o objetivo de minimizar os impactos negativos da pandemia do coronavírus na região.

O comitê científico é formado por médicos, cientistas, físicos e pesquisadores, com o intuito de auxiliar os governadores dos estados do Nordeste na tomada de decisão sobre as ações de enfrentamento à pandemia causada pelo coronavírus. A formação do comitê foi oficializada na segunda-feira (30).

Veja as seis primeiras orientações anunciadas pelo Comitê Científico:

Troca de informações sobre soluções tecnológicas já desenvolvidas nos estados;
Integração das instituições de apoio à pesquisa que possam financiar e executar estudos interestaduais em temas desafiantes da Covid-19;
Intensa articulação entre secretarias de Saúde dos estados e municípios;
Manutenção do isolamento social, visando interromper a cadeia de contágio;
Implantação de postos de saúde em aeroportos e terminais de ônibus para testagem e orientação aos viajantes;
Ações de apoio material e financeiros às famílias mais necessitadas, moradores de rua, pequenos comerciantes, entre outros grupos mais vulneráveis.
O Comitê Científico do Consórcio Nordeste é coordenado pelo cientista Miguel Nicolelis e pelo físico e ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende.

De acordo com o Governo da Bahia, idealizador do comitê, além de Nicolelis e Rezende, a comissão fará reuniões periódicas com autoridades científicas brasileiras e de outros países, a exemplo da Itália, da Alemanha e da China, para discutir soluções na tentativa de frear a disseminação de casos da Covid-19.

Ainda segundo o governo, o comitê ainda está em formação, mas já possui 13 membros. Cada um dos nove estados indicou um nome para o grupo, que deve permanecer ativo até o fim da pandemia.

O Consórcio Nordeste foi criado em março de 2019 e prevê o desenvolvimento de diversos projetos, além da parceria econômica, política, infraestrutural e educacional entre as unidades federativas.